11 novembro 2014

Uma iniciativa e tanto: Juntar as bandeiras de todos os municípios brasileiros


   Já são 12 anos de estrada, 06 bicicletas utilizadas e muitas histórias na bagagem. Confira abaixo entrevista registrada por Melissa Louçan, do Jornal Minuano, com o ciclista paulista que está visitando Bagé, em palestras nas escolas nesta terça-feira, 11/Novembro, e irá retornar ao seu roteiro na quarta-feira, agora em direção à Uruguaiana.

Ciclista recordista, com mais de 150 mil quilômetros rodados, visita Bagé

   Com sua bicicleta prata, Carlos Henrique Ribeiro já percorreu mais de 150 mil quilômetros pelo Brasil. Em 12 anos de pedaladas, foram mais de 2600 cidades visitadas, em todos os estados do País. A intenção é reunir 4300 bandeiras dos municípios para cobrir como um tapete o gramado do Maracanã na abertura das Olimpíadas de 2016.
Natural de Rincão, em São Paulo, e pedreiro por profissão, Ribeiro trabalhava na cidade de Jardim, em Mato Grosso quando decidiu dar um rumo diferente na vida, aos 38 anos. Analfabeto, decidiu, literalmente, correr atrás de seu sonho: comprou uma bicicleta usada e começou a pedalar pelas estradas brasileiras.
Os primeiros dois anos foram os mais difíceis. Sem dinheiro, dormia no acostamento das estradas. Nesse meio tempo, dois acidentes quase o tiraram de seu rumo. O primeiro ocasionou uma recuperação de quase seis meses. Após o segundo, foram quase três meses parado.
Quando voltou à estrada, um encontro casual em um posto de gasolina mudou sua vida. Em uma das paradas para alimentação, há 10 anos, conheceu Carlos Wizard Martins, presidente da rede de escolas de inglês. Tocado pela história do pedreiro/ciclista, o empresário resolveu patrocinar o viajante.
Hoje, em cada parada que faz, Ribeiro coleciona amigos e histórias. Já foi reconhecido duas vezes pelo Guiness Book como recordista mundial de ciclismo em longa distância. Além disso, conheceu muita gente. Mostra uma pasta cheia de fotografias dele, em várias cidades do País, e ao lado de famosos, como o jogador Neymar, a apresentadora Ana Hickman, a atriz Ana Paula Arósio, o ex-presidente Lula e os cantores Fábio Jr., Edson e Hudson.
Questionado sobre o que mudou durante esse período, o aventureiro responde, enquanto autografa o caderno de um menino encantado pela história vida dele: "Muita coisa, né. Mas principalmente a saúde, porque as pessoas se esquecem de caminhar ou de fazer um exercício. Só querem saber de andar de carro ou moto", critica.
Mas outra mudança, talvez a mais significativa, foi fruto de sua persistência. Entre uma pausa para descanso e outra, Ribeiro resolveu dar continuidade ao pouco estudo a que teve acesso na infância. E assim ele aprendeu a ler e escrever, praticamente sozinho. É sobre essas dificuldades e persistência que ele fala nas palestras que faz em cada cidade que visita.
Agora, a única dificuldade que enfrenta é a saudade da família e, principalmente, da filha Sthefany, de três anos. "É difícil, mas tento voltar para casa a cada 40 dias para matar a saudade", conta.
De Bagé, o ciclista parte para Dom Pedrito em busca de novas bandeiras. A intenção não é parar, e sim continuar a vida sobre duas rodas. "Não pretendo parar. Quero seguir conhecendo esse Brasil todo e levando coisas boas para cada lugar que visito", disse.
Por: Melissa Louçan